A Espada do Dragão

Nerdcore para as massas

Arte-Conceito: Sonic the Hedgehog

Não serviu pra Arte de Quinta no WarpZona, então fique com essa ilustração inédita baseado no herói da SEGA, SONIC, THE HEDGEHOG:

dezembro 1, 2008 Posted by | Artes, Bem Humor, Videogame | , | 2 Comentários

L’Animateur- The Animator- Der Trickzeichner- O Animador

Animação soberba e emocionante.

julho 1, 2008 Posted by | AnimaMundo, Artes, Filmes, Vídeos | | 3 Comentários

Animes e Mangás na Globo

Passou no Jornal da Globo em 10/06/2008, é uma matéria sobre Mangá e Anime que faz parte de uma série sobre a cultura japonesa, aproveitando o centenário da imigração.

Impressionantemente, foram poucos as informações erradas e no geral, os clichês foram suaves.

Matéria muito bem produzida e editada, consegue sintetizar, e bem, o universo em volta do mangá, falando de origens, anime, oscar, cosplays e até fanzines. Só faltou o videogame.

Agradecimenos ao Léo Ikari pelo vídeo.

junho 14, 2008 Posted by | AnimaMundo, Artes, Cinemateca Nerd, Filmes, Multi-Mídias, Nerdcore, Vídeos | , , , , | 1 Comentário

Videogames são Arte?

Texto que escrevi de sopetão para participar de uma promoção. Opine, e ele muda, evolui e se adapta.

A pergunta é difícil, pois o próprio conceito de arte é deveras abstrato, e segue indefinido (ou multi-definido) até hoje. Um dos conceitos mais bem-aceitos nos descreve a arte como um produto da ação humana que é feito sem um objetivo prático (ao contrário de um martelo ou uma colher, por exemplo), geralmente com intenção estética e que tenha a capacidade de estimular os sentidos e o pensamento. Produto da ação humana? Confere. Sem um objetivo prático? Bem, os jogos eletrônicos fogem dessa definição, pois tem o objetivo de entreter. Porém , quando se trata de estimular os sentidos e o pensamento, poucas coisas superam um jogo eletrônico. Você pode ter sentido raiva da cena fatídica envolvendo Sephirot e Aeris, se emocionado com o desempenho de Celes na casa de Operas ou ainda matutar inconscientemente por horas sobre o que realmente aconteceu em Ico ou Shadow of Colossus, e aonde os dois convergem…

Outro conceito bem aceito diz que a arte vem para melhorar o real: uma pessoa ou uma paisagem bonitas podem ser melhoradas em uma pintura ou gravura, por exemplo. Feitos impossíveis na realidade são uma das molas-mestras do cinema e da literatura. E nesse sentido os jogos eletrônicos não ficam atrás, trazendo encanadores que combatem dragões com ajuda de cogumelos ou um porco espinho disposto a combater os robôs do mal com sua velocidade supersônica. Ou ainda um ser humano comum que é envolvido em tramas que o forcem a superar a sua limitada condição. Uma sublimação da realidade, uma realidade melhor, limitada pela imaginação, e por isso mesmo sem limites, se não os de hardware, facilmente superados pela capacidade unicamente humana de abstração. Ou um jogo que consegue que você materialize um bravo guerreiro combatendo dragões furiosos com sua lança, se valendo apenas de um pequeno quadrado que anda por salas monocromáticas e fugindo de um inimigo pixelado quase abstrato não deve ser considerado arte?

E nessa longa (e talvez um pouco confusa para os “não-iniciados”) explanação eu nem quis entrar no mérito estético envolvido nos games. O que um dia foi travado por um equipamento cheio de limitações hoje é beneficiado por maquinas que podem reproduzir cada detalhe, cada fio de cabelo e cada poro da pele, luz e sombras, texturas e densidades. Quem negar o trabalho artístico envolvido em um jogo (sem entrar no mérito de artístico x artesanal ) no mínimo esta mal-informado.

Enfim, assim como a idéia do que é a arte é muito subjetiva, a opinião a respeito da identificação de jogos como arte é pessoal. E eu, pessoalmente, digo com toda a certeza: Videogames são, sim, Arte, em seu mais puro estado.

março 3, 2008 Posted by | Artes, Matérias, Nerdcore, Videogame | , | 1 Comentário